Hype Translation

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

Hype Pesquisa

Carregando...

27/08/2008

Thales Pan Chacon, Caíque Ferreira, Cláudia Magno e Lauro Corona: Saudades














Thales Pan Chacon (São Paulo, 19562 de outubro de 1997) foi um ator, bailarino e coreógrafo brasileiro.

Estudou na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, mas não terminou o curso, que abandonou em 1978. Nesta época, já se dedicava ao teatro.

Foi para a Bélgica, onde foi aluno de Maurice Béjart. Na volta, participou da montagem de Chorus Line, dirigido por Walter Clark.
No teatro, trabalhou ainda no musical Gardel, uma Lembrança (1987) e protagonizou Theatro Musical Brasileiro (1995). Ainda no palco, atuou em Trilogia da Louca, O Drácula, Descalços no Parque, Gilda - Um Projeto de Vida, No Coração do Brasil e Fedra, na qual foi responsável também pela coreografia da peça.

Conheceu o reconhecimento profissional do grande público ao atuar ao lado de Fernanda Torres em Eu sei que vou te amar, filme pelo qual Fernanda ganhou o prêmio de melhor atriz no Festival de Cannes. A popularidade o levou às telenovelas, principalmente às da Rede Globo.

Em 1993, foi internado com quadro grave de pneumonia, mas se restabeleceu e voltou a trabalhar após algum tempo.
Seu último trabalho foi no filme La Serva Padrona, da diretora, amiga e ex-esposa Carla Camurati, que também o tinha dirigido em Carlota Joaquina - Princesa do Brasil e no curta "A Mulher Fatal Encontra O Homem Ideal.
Faleceu aos 41 anos, vítima do vírus da AIDS, quando estava ensaiando a ópera La Serva Padrona]. Carla Camurati, sua companheira durante seis anos, disse que ele "foi para o céu literalmente... Virou uma estrela".

Carreira:

Na Televisão
1997 - Os Ossos do Barão .... Otávio (SBT)
1993 -
Olho no Olho .... Patrício
1993 -
Sex Appeal .... Helinho
1992 -
Anos Rebeldes .... Nelson
1990 -
Meu Bem, Meu Mal .... Henrique Paiva
1989 -
O Salvador da Pátria ... Cássio Marins
1988 -
Fera Radical .... Heitor Flores
1987 -
Helena .... Estácio (Rede Manchete)
1983 -
Moinhos de Vento .... Thiago
1982 -
Avenida Paulista .... Bianco
Você Decide - episódios A Barganha (1993), Morte em Vida (1992) e Armadilha do Destino (1992)

No Cinema
1997 -
La Serva Padrona .... Vespone
1995 -
Carlota Joaquina - princesa do Brazil .... médico
1992 - Floresta da Tijuca .... repórter
1991 - Diálogo de todo dia
1991 - Estação Aurora .... condutor
1987 -
Luzia Homem .... Alexandre
1987 -
A Mulher Fatal Encontra o Homem Ideal .... gari / príncipe
1986 -
Eu Sei que Vou te Amar
1985 -
Fonte da Saudade
1984 - Elite devassa

Caíque Ferreira

Carlos Henrique Ferreira da Costa (Rio de Janeiro, 1955 — Rio de Janeiro, 12 de janeiro de 1994), conhecido artisticamente como Caíque Ferreira, foi um ator brasileiro.

Caíque iniciou a carreira em 1970, na peça teatral A Exceção e a Regra, montada em sistema de cooperativa. Em seus 16 anos de carreira como ator, cantor e bailarino, trabalhou em várias telenovelas e peças de teatro, chegando em 1991 a ser premiado em Düsseldorf, na Alemanha, com o musical Lights to Light.

No cinema, ficou conhecido pelo retirante "Zé Branco", de Aventuras de Um Paraíba, dirigido por Marcos Altberg. Em 1984, fez Flor do Desejo.
Seu trabalho de maior repercussão de crítica foi Giovanni, em 1987, adaptação para o palco do romance de James Baldwin, onde ele interpretava um homossexual, ao lado de Hugo Della Santa.

Caíque morreu aos 39 anos, vítima de complicações decorrentes da Aids.
Pouco antes de sua morte, o ator deixou os originais de um romance intitulado Vinho da Noite, baseado em sua própria experiência, contando a história de um homem de meia-idade que entra em crise existencial quando descobre ter uma doença terminal e que está condenado a morrer.

Caíque era irmão do diretor de fotografia Flávio Ferreira, que atua na parte técnica das produções televisivas.

Carreira:

1991 — O Guarani (minissérie)
1989 —
O Sexo dos Anjos .... Diogo (telenovela)
1988 —
Olho por Olho .... Caio Falcão (telenovela)
1984 —
Corpo a Corpo .... Zeca Maciel (telenovela)
1984 —
Amor com Amor se Paga .... Gustavo (telenovela)
1983 —
Flor do Desejo .... Gato (filme)
1982 —
Paraíso .... Ricardo (telenovela)
1982 —
Aventuras de um Paraíba .... Zé Branco (filme)
1981 —
Brilhante .... Fred Sampaio (telenovela)

Cláudia Magno (Rio de Janeiro, 10 de fevereiro de 1958 — Rio de Janeiro, 6 de janeiro de 1994) foi uma atriz e dançarina brasileira.

Começou a carreira em 1981, trabalhando em diversas peças de teatro.
Participou do filme de grande sucesso Menino do Rio, em 1982. Em seguida, foi chamada pela Rede Globo para participar da novela Final Feliz, no mesmo ano.
Cláudia participou também dos filmes Garota Dourada, em (1983) e Presença de Marisa (1988), trabalho pelo qual ganhou o Candango de melhor atriz no Festival de Brasília de 1988.

Morreu por insuficiência respiratória aguda, em decorrência do vírus da AIDS (oito anos antes, seu namorado, o ator e modelo Marcelo Ibrahim, morrera do mesmo mal).
Quando faleceu, Cláudia estava trabalhando na telenovela Sonho Meu, na qual vivia a enfermeira Josefina, e ensaiava um musical com o ator Jonas Bloch.

Carreira:

Na Televisão
1993/1994 — Sonho Meu .... Josefina
1991/1992 —
Felicidade .... Renée
1991/1992 —
O Dono do Mundo .... Flávia Araripe
1991 —
Filhos do Sol .... Ludmila (Rede Manchete)
1990/1991 —
Meu Bem, Meu Mal ....Eulália
1990 —
Mãe de Santo (Rede Manchete)
1989/1990 —
Tieta .... Silvana
1988/1989 — Bebê a Bordo .... Gilda
1988 —
Fera Radical .... Vick
1986/1987 —
Roda de Fogo .... Vera dos Santos
1985 —
Um Sonho a Mais .... Regina
1985 —
Tudo em Cima .... Carmem (Rede Manchete)
1984 —
Viver a Vida .... Maria Eduarda
1983/1984 —
Champagne .... Mariah
1982/1983 —
Final Feliz .... Bartira (a falsa)

No Cinema
1988 -
Presença de Marisa
1984 -
Garota Dourada .... Patrícia Monteiro
1981 -
Menino do Rio .... Patrícia Monteiro

Garoto da classe média carioca, começou a trabalhar aos 16 anos como vendedor na butique de sua mãe. Um ano depois, partiu para a carreira de modelo e fez seus primeiros filmes publicitários. Fez propaganda para a Coca-Cola e o Bob's, e chamou a atenção do diretor Marcos de Sá.

Quando fazia a peça infantil "Simbad, o Marujo", no Rio de Janeiro, foi descoberto pelos diretores e atores Ziembinsky e Paulo José, que o convidaram para participar do especial de televisão "Ciranda Cirandinha".

A partir daí, participou de diversas telenovelas e filmes, tendo se destacado inicialmente em "Dancin' Days" (1978), de Gilberto Braga, em que era par da personagem de Glória Pires. Foi também presença de destaque em "Marina"; "Baila Comigo"; "Elas por Elas"; "Louco Amor"; "Corpo a Corpo" e "Direito de Amar".

Estreou no cinema em "O Sonho não Acabou", em 1982, e dois anos depois fez "Bete Balanço", como par romântico da personagem de Débora Bloch.

Também alcançou algum sucesso como cantor e apresentador do programa Globo de Ouro, nos anos 80. Algumas de suas músicas são Não vivo sem meu rock, O Céu por um beijo e Tem que provar.

Sua última telenovela foi "Vida Nova", de 1988, no papel de um imigrante português que namorava uma judia brasileira, interpretada por Deborah Evelyn.
Foi uma das primeiras personalidades brasileiras a morrer de complicações decorrentes do vírus da AIDS.
Seu personagem na telenovela Vida Nova teve um final apressado, com uma viagem para Israel, por causa da doença do ator. A última cena mostrava um carro preto partindo numa noite chuvosa, ao som de um poema de Fernando Pessoa, declamado em off pelo próprio ator.
O atestado de óbito do ator apontou como causas de sua morte, no dia 20 de julho de 1989, complicações como infecção respiratória, septicemia, infecção oportunista, miocardite, insuficiência renal aguda e hemorragia digestiva alta. Em nenhum momento foi citada a palavra AIDS, o que reforçou um comportamento adotado pelo jovem galã de novelas da Globo e seus familiares em seus últimos meses de vida: o de negar veementemente a doença.
Lauro Corona não comentava com os amigos que era portador do vírus e nem aceitava sua condição - tratava os sintomas das doenças oportunistas com homeopatia.

Os boatos de que estaria com AIDS surgiram em janeiro de 1989, quando o ator pediu afastamento da novela "Vida Nova", na qual era protagonista, alegando estafa. Voltou dois meses depois, muitos quilos mais magro e com uma visível queda de cabelo. Logo em seguida mudou-se para a casa dos pais, isolando-se até mesmo dos amigos. Quando seu estado de saúde piorou, foi internado, mas os pais proibiram o hospital de dar qualquer informação à imprensa sobre o estado de saúde do filho.

Lauro Corona morreu depois de nove dias internado e foi enterrado no Cemitério São João Batista, no Rio de Janeiro.

Carreira:

Na Televisão

Novelas
1988 - Vida Nova .... Manuel Victor
1987 -
Direito de Amar .... Adriano Monserrat
1984 -
Corpo a Corpo .... Rafael
1984 -
Vereda Tropical .... Victor
1983 -
Louco Amor .... Lipe
1982 -
Elas por Elas .... Gil
1981 -
Baila Comigo .... Caê
1980 -
Marina .... Marcelo
1979 -
Os Gigantes .... Polaco
1978 -
Dancin' Days .... Beto
Minisséries:
1986 -
Memórias de um Gigolô .... Mariano

Teletema:
1986 - O Seqüestro de Lauro Corona .... ele mesmo

Caso Especial:
1977 - Ciranda Cirandinha

Entretenimento & Musicais:
1986 - Globo de Ouro .... apresentador
1983 - Cometa Loucura .... apresentador

No Cinema
1984 - Bete Balanço
1982 -
O Sonho Não Acabou .... Ricardo
Curiosidades:

· Lauro era parecido fisicamente com o cantor Cazuza. Muitas pessoas os confundiam.
· Especula-se que Lauro também era homossexual assim como Cazuza.
· Lauro fez muitos pares românticos com Glória Pires. Eles também eram muito amigos na vida real.

26 comentários:

Victor Manfredine disse...

lembro do lauro atuando.
faz falta sim.
e muita. o/
hj em dia vendo cléo pires,
thiago rodrigues,
dado dolabela..
a gente percebe q já passou A ÉPOCA da tv do Brasil.
o/

Silvia disse...

Foi muito prazeroso ler em seu blog coisas que me fizeram relembrar minha adolescência e os ídolos que povoaram o imaginário das garotas da década de 80. Principalmente o filme "Menino do rio", com a atuação de Cláudia. Vítimas dessa doença, tão sem perspectiva naquela época. Obrigada por me proporcionar momentos de felicidade.
Silvia

JORGE JOSE disse...

O LAURO FOI UM CARA MUITO LEGAL,QUE DEUS ESTEJA COM ELE

Anônimo disse...

Quando vi a novela Champagne, com Claudia Magno, tinha 13 anos e decidi que se um dia tivesse uma filha, ela se chamaria Mariah, nome da personagem da atriz nessa novela.
Hoje tenho a Mariah : )
Aqui que fiquei sabendo que o Caíque Ferreira também morreu de AIDS. Legal esse blog, que homenageia esses atores desconhecidos pela nova geração, mas ainda lembrados por nós. Valeu!

Lizzy disse...

belissima homenagem, estava relembrando cazuza e bete balanço o filme e procurei por lauro corona, encontrei seu site. Muito obrigada por relembrar essas pessoas que fazem MUITA falta na telinha. Faltou MArcelo Ibrahim e Sandra Bréa... Eu vi a ultima novela que o Lauro Corona fez, ele estava muito magro e na epoca ninguem revelou que sua partida prematura foi devido a aids. Lembro que houve boatos mas só anos depois pudemos confirmar. Que doença maldita, levou muita gente boa da classe artistica. Hoje é até uma piada assistir as novelas e os atores da atual geração. Ainda bem que pude assistir as novelas na epoca aurea. Muito obrigada por relembrar esses grandes atores e atriz, foi uma epoca muito boa... sinto muita falta de tudo na tv, radio, saudade de ligar o radio e tocar só musica boa... tenho 33anos e tudo mudou, para pior... beijos

Anônimo disse...

4 grandes nomes levados por essa doença que ainda assombra a humanidade, gostaria de lembrar de SANDRA BRÉA que também foi vítima do mesmo mal.

Jania disse...

Quanta gente jovem e bonita essa maldita doença levou...

Que desperdício...


Era assustador, os artistas caíam como moscas...e o pior, era vê-los tão lindos, definhando-se.

Os adolescentes de hoje não têm noção do que nós vimos e nos assustamos com essa doença...

Gabrielle disse...

Nossa, ver esse blog foi como entrar no túnel do tempo e relembrar pessoas boníssimas que infelizmente não estão mais conosco. O Tales Pan Chacon foi meu galã, quando tinha apenas 11 anos rsrsrs. Na época da novela eu dizia: Se um dia eu tiver um filho, ele vai se chamar Heitor (na época Tales fazia o papel de Heitor Flores). E hoje eu tenho meu Heitor, tão lindo quanto o óutro´Heitor....
Saudades!

Anônimo disse...

Parabéns pela homenagem, saudades de vocês... que logo achem a cura para esse mal que assola à tantas pessoas. Abraço!!

Anônimo disse...

O Lauro era 1 ator lindo & ótimo! Eu era 1 adolescente qdo ele fazia "Dancing Days" c/a ótima Lídia Brondi q., anos depois, abandonou a carreira!. & o par q;ele fazia c/a Glória Pires tb era muito legal! Ñ posso deixar de mencionar "Bete Balanço" q.ele fez c/a Deborah Bloch! Ambos no auge da juventude ¨beleza! Pena ele ñ estar + aí c/a gente! Saudade!

Ana Maria disse...

Infelizmente essa doença continua fazenda muitas vítimas, felizmente os artistas se conscientizaram na precaução e não temos visto mais artistas morrendo desse mal. A perca desses atores e atrizes deixou uma lacuna muito grande na vida dos seus fãs, pois eu particularmente amava o Lauro Corona o achava lindo, chorei muito quando ele morreu, tenho certeza que ele é uma estrela que brilha para nós.

Anônimo disse...

Quando me deparo com personalidades que fizeram parte de minha adolescência e que se foram de maneira tão precoce lágrimas me visitam os olhos. Tenho saudades.

Anônimo disse...

só feras que partiram é uma pena porque essa nova geração é muito fraca e os gigantes do cinema estão partindo fiquem com Deus.

Eduardo Aphonso S. Weissmann de Saxe. disse...

Lauro Corona e Cazuza não só se pareciam muito mesmo, tanto no rosto como no fisico, como tiveram um affair por alguns meses não me recordo se em 84 ou 85, eles foram juntos à uma festa em meu apartamento no Rio levados per um amigo em comum, e pareciam bem apaixonados. Entretanto desentenderam-se sem divulgar o motivo e tornaram-se inimigos mortais. Morreram sem terem trocado um olhar sequer depois da separação. Pude ouvir, de Cazuza e alguns de seus amigos, que Lauro Corona havia "sujado" com ele, pelos bares do Baixo e em outros lugares. Acredito que Cazuza e Lauro realmente tenham ate se apaixonado para valer. Mas o motivo da separação tão brutal e carregada de tanto rancor será um eterno mistério.

Anônimo disse...

Adorava, era apaixonada por Caíque ferreira...e o que dói é ver toda u9ma geração ir-se embora, vítima da aids..ou do câncer....ainda hoje, quando minha filha me perguntou se eu conhecia Rodolfo Botino, que partiu, perguntei logo, foi câncer ou Aids? Porque as duas se parecem..trágicas nos seus caminhos, doloroso nos finais de dor, e que continuam enriquecendo laboratórios mundo afora..onde vai parar isso??

Anônimo disse...

Cura provavelmente já tenha, o duro será "dobrar" os donos de indústrias farmacéuticas, pois com o coquetel, o lucro nem se compara com apenas vacinas

adilson adalberto disse...

legal esse blog que faz homenagens a grandes ícones da tv brasileira que se foi precocemente vitimas dessa doença maldita, deixando um legado para todo o sempre. mesmo depois de passado tanto tempo, vejo que eles continuam presentes em nossas vidas.que assim seja para todo o sempre! tenho certeza que continuam brilhando e encantando em algum outro lugar!

adilson adalberto disse...

Parabéns pela belíssima homenagem a esses ícones da tv brasileira que se foram precocemente, vitimados por essa maldita doença! sou um fã incondicional deles, especialmente, a Claudia Magno! grande atriz de talento inenarrável! bem como do Lauro( corona), Cazuza, tales, etc.

Susana disse...

Foram e continuam sendo ASTROS. Só que, hoje, brilham no céu!!!!

Hermes disse...

Me lembro de todos ,e gostava muito dos trabalhos deles ! eram ótimos atores , pena que tenham tido essa doença antes da chegada do coquetel que muitos hj estão vivos devido ao mesmo .Mas que Deus tenha eles ao teu lado !!!

Anônimo disse...

eu gostava muito do ator lauro corona.ele era muito amigo da atriz glória pires com era par com ela.ele era muito lindo de olhos azuiz.sinto muita falta desse ator maravilhoso.

Cleide disse...

Nossa, matando as saudades por aqui com pessoas que, de alguma forma, fizeram parte de minha infância/adolescência.
O curioso foi que essa doença acometeu vários artistas famosos da época no mesmo período, e coincidentemente, atores e atrizes da Globo!Uma pena, tanta gente talentosa... fica a saudade.
Parabéns pelo Blog

Anônimo disse...

Eduardo conta mais sobre o comportamento do Lauro com o Cazuza na sua festa, e se souber outras coisas dos dois por favor conte em detalhes, morro de curiosidade.

Anônimo disse...

Ainda hoje se morre de AIDS. Pessoas menos famosas, mas ainda se morre. Foi e é muito eficaz todo o trabalho do Ministério da Saúde de nosso país, o qual é admirado no exterior, para nosso assombro - quem dera se o Brasil levasse outras coisas tão a sério, como levou o combate à AIDS... Sou médico, e não nos esqueçamos do combate à AIDS. Nunca.

Anônimo disse...

Quantos artistas maravilhosos está maldita AIDS matou .Meu irmão único caçula também faleceu de AIDS com apenas 30 anos .Que Deus nos abencoe !

Hamilton silva do amaral junior disse...

É muito bom relembrar grandes atores,atores do meu tempo de infancia,saudade desses grandes atores e seres humanos inesqueciveis